Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Atropina: indicações, como usar e mais!

    Atropina: indicações, como usar e mais!

    Atropina é um medicamento de uso injetável conhecido comercialmente como Atropion, que é um estimulante do sistema nervoso parassimpático que age inibindo a atividade do neurotransmissor acetilcolina.


    O que é

    É usada para combater arritmias cardíacas, mal de Parkinson, a intoxicação por inseticidas, em caso de úlcera péptica, cólicas renais, incontinência urinária, secreções do sistema respiratório, cólica menstrual, para diminuir a salivação durante a anestesia e intubação, bloqueio cardíaco, e como coadjuvante em radiografias gastrointestinais.

    Bloqueia a acetilcolina em receptores presentes em músculos lisos, músculo cardíaco, nodos sinoatrial e átrio-ventricular do coração e glândulas exócrinas; inibe as secreções salivar e brônquica e a sudorese; dilata as pupilas e aumenta a frequência cardíaca; em doses mais altas diminui a motilidade gastrintestinal e urinária e inibe a secreção ácida do estômago. Como antídoto, a Atropina antagoniza as ações dos inibidores da colinesterase, diminuindo as secreções salivar e brônquica e o estreitamento dos brônquios.

    Você pode encontrar as mais variadas ofertas e promoções deste remédio em nosso site!


    Interações medicamentosas

    A administração subsequente pode intensificar os efeitos dos medicamentos de ação antimuscarínica, como os antidepressivos tricíclicos, os IMAO, a amantadina e os anti-histamínicos.

    Pode ocorrer interação com o ciclopropano, ocasionando arritmias ventriculares.

    A atropina pode diminuir a absorção do cetoconazol; recomenda-se administrar somente após 2 horas, em pacientes que fazem o uso de cetoconazol.

    Pode ocorrer interferência com a ação antiglaucomatosa do carbacol, pilocarpina ou outros medicamentos oftálmicos do tipo inibidores da colinesterase. O atenolol pode ter seus efeitos aumentados quando usado simultaneamente com anticolinérgicos.

    Interferência a exames laboratoriais:

    Os antimuscarínicos podem antagonizar o efeito da pentagastrina e da histamina na avaliação da função secretória ácida gástrica. Não se recomenda o seu uso pelo menos durante as 24 horas anteriores à avaliação.

    A atropina utiliza o mesmo mecanismo tubular renal de secreção da fenossulfoftaleína, produzindo diminuição da excreção urinária desta. Pacientes submetidos à avaliação nefrológica não devem tomar este medicamento simultaneamente.


    Nomes comerciais

    Este medicamento pode ser encontrado sob a forma genérica ou através dos nomes comerciais a seguir:

    • Pasmodex;

    • Santropina;

    • Atropion;

    • Atrofarma;

    • Hytropin.


    Formas de tomar

    Posologia:

    Deve ser estabelecida a critério médico.

    A injeção intravenosa deve ser feita lentamente. De modo geral, recomenda-se:

    Antimuscarínico:

    • Adultos: 0,4 a 0,6 mg (via intramuscular, intravenosa ou subcutânea), a cada 4 a 6 horas.

    • Crianças: 0,01 mg/kg (via subcutânea), sem ultrapassar 0,4 ou 0,3 mg, por m2 de superfície corporal, em intervalos de 4 a 6 horas.

    Arritmias:

    • Adultos: 0,4 a 1 mg (via intravenosa), a cada 1 a 2 horas, até no máximo 2 mg.

    • Crianças: 0,01 a 0,03 mg/kg (via intravenosa).

    Radiografia gastrintestinal:

    • Adultos: 1 mg (via intramuscular).

    Pré-medicação anestésica:

    • Adultos: 0,2 a 0,6 mg (via intramuscular), entre meia a uma hora antes da cirurgia.

    • Crianças (via subcutânea): até 3 kg: 0,1 mg; de 7 a 9 kg: 0,2 mg; de 12 a 16 kg: 0,3 mg; de 20 a 27 kg: 0,4 mg; com 32 kg: 0,5 mg; com 41 kg: 0,6 mg. Para pesos intermediários não especificados use a dosagem intermediária correspondente.

    Coadjuvante colinérgico (bloqueio curariforme):

    • Adultos: 0,6 a 1,2 mg (via intravenosa), antes ou concomitante à administração de neostigmina (seringas separadas).

    Antídoto de inibidores da colinesterase:

    • Adultos: inicialmente 2 a 4 mg (via intravenosa) seguidos de 2 mg repetidos a intervalos de 5 a 10 minutos até que desapareçam os sintomas muscarínicos.

    • Crianças: inicialmente 1 mg (via intravenosa ou intramuscular), seguidos de 0,5 a 1 mg a cada 5 ou 10 minutos, até que desapareçam os sintomas muscarínicos. Recomenda-se não ultrapassar a dose de aproximadamente 10 mg, pode ser letal em crianças.

    Antídoto de organofosforados e muscarina (intoxicações fúngicas):

    • Adultos: 1 a 2 mg cada hora, por via intravenosa ou intramuscular até remissão dos efeitos respiratórios ou até desaparecimento da cianose.

    Nas intoxicações por inseticidas fosforados, repetir a dose a cada 20 a 30 minutos até o desaparecimento da cianose. Prosseguir até melhora definitiva, o que pode suceder, em certos casos, em dois ou mais dias.

    ATENÇÃO: NUNCA DEVEM SER ADMINISTRADAS DUAS DOSES AO MESMO TEMPO!

    Preparo do produto:

    O profissional da saúde deverá inspecionar, antes de sua utilização, se a solução no interior da ampola está na forma líquida, livre de fragmentos ou de alguma substância que possa comprometer a eficácia e a segurança do medicamento. O profissional não deverá utilizar o produto ao verificar qualquer alteração que possa prejudicar o paciente.

    Deve ser administrado por profissionais experientes e em locais onde contenham os equipamentos necessários para emergências.

    Administração:

    O Atropion é apresentado em ampolas de 1 mL contendo 0,25 mg ou 0,50 mg de sulfato de atropina, para administração parenteral (IV, IM ou por via subcutânea).

    A administração desse medicamento somente deve ser realizada por profissionais da saúde experientes e em ambiente hospitalar.


    Efeitos colaterais

    A Atropina pode causar alguns efeitos colaterais, os mais comuns são:

    • Aumento dos batimentos cardíacos;

    • Boca seca;

    • Pele seca;

    • Prisão de ventre;

    • Dilatação das pupilas;

    • Diminuição do suor;

    • Dor de cabeça;

    • Insônia;

    • Náusea;

    • Palpitação;

    • Retenção de urina;

    • Sensibilidade à luz;

    • Tontura;

    • Vermelhidão;

    • Visão turva;

    • Perda do paladar;

    • Fraqueza;

    • Febre;

    • Sonolência;

    • Inchaço da barriga.

    Consulte um médico se algum destes sintomas for grave e/ou não desaparecer:


    Gravidez

    Este medicamento travessa a barreira placentária, podendo produzir taquicardia fetal. O médico deve estar atento na ocorrência de gravidez durante a vigência do tratamento ou após o seu término. Este medicamento deverá ser usado em mulheres grávidas somente se necessário.

    Se você está amamentando, tome cuidado! Este medicamento é excretado pelo leite materno, não se recomenda amamentação no período da utilização do medicamento. O médico deve estar atento a reações alérgicas ou a outra alteração no bebê.


    Contraindicações

    Este medicamento é contraindicado para pacientes com quadro de: asma, glaucoma ou tendência ao glaucoma, adesão entre íris e o cristalino, taquicardia, estado cardiovascular instável em hemorragia aguda, isquemia do miocárdio, enfermidades obstrutivas gastrintestinais e geniturinárias, íleo paralítico, atonia intestinal em pacientes geriátricos ou debilitados, colite ulcerativa severa, megacólon tóxico associado à colite ulcerativa, enfermidades hepáticas e renais severas, miastenia grave.


    • Dramin

      Dramin

      3 apresentações
      R$ 4,40
      R$ 4,40