Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Carboplatina: saiba tudo sobre este medicamento!

    Carboplatina: saiba tudo sobre este medicamento!

    Carboplatina é um medicamento usado para tratar estados avançados de alguns tipos de câncer.

    COMPARE AQUI OS MELHORES PREÇOS DO MEDICAMENTO CARBOPLATINA

    • Carboplatina

      Carboplatina

      2 apresentações
      sem oferta :(
      sem oferta :(


    O que é

    É usado para tratar estados avançados do carcinoma de ovário de origem epitelial (incluindo tratamentos de segunda linha e paliativo em pacientes que já tenham recebido medicamentos contendo cisplatina). Está também indicado no tratamento do carcinoma de pequenas células de pulmão, nos carcinomas espinocelulares de cabeça e pescoço e nos carcinomas de cérvice uterina.

    O princípio ativo deste medicamento faz parte da segunda geração de derivados da cisplatina que mostram atividade antineoplásica (inibem o crescimento e disseminação do tumor) contra uma série de malignidades. Esta substância se liga ao DNA alterando sua configuração e inibindo sua síntese, desta forma impedindo o tumor de proliferar.

    Você pode encontrar as mais variadas ofertas e promoções deste remédio em nosso site!


    Interações medicamentosas

    A carboplatina é, na maioria das vezes, utilizada em combinação com fármacos antineoplásicos que possuem efeitos citotóxicos similares. Nessas circunstâncias, é provável a ocorrência de toxicidade aditiva. O uso concomitante com outros agentes mielossupressores ou radioterapia pode potencializar a toxicidade hematológica.

    Uma incidência aumentada de vômitos tem sido relatada quando a substância ativa deste medicamento e outros fármacos emetogênicos são administrados concomitantemente ou quando é administrada a pacientes recebendo terapia emetogênica prévia.

    A administração concomitante com aminoglicosídeos resulta em risco aumentado de nefrotoxicidade e/ou ototoxicidade, e os fármacos devem ser utilizados concomitantemente com cautela. O uso de outros fármacos nefrotóxicos resulta em potencialização dos efeitos renais pelo medicamento..

    Esta substância interage com o alumínio levando à formação de um precipitado preto de platina e perda da potência. Kits de infusão intravenosa, agulhas, cateteres e seringas contendo alumínio não devem ser utilizados para administração.


    Nomes comerciais

    Este medicamento pode ser encontrado sob a forma genérica ou através dos nomes comerciais a seguir:

    • B-Platin;

    • Evocarb;

    • Fauldcarbo;

    • Platamine CS;

    • Tecnocarb;

    • Tevacarbo;

    • Vancel;

    • Kemocarb;

    • Citoplatina.


    Formas de tomar

    A carboplatina pode ser administrada tanto como agente único ou em combinação com outros medicamentos antineoplásicos e deve ser utilizada apenas por via intravenosa e deve ser administrado por infusão IV por um período de no mínimo 15 minutos.

    A dose pode ser determinada através de: 1) Função Renal e 2) Área de superfície corporal.

    • Determinação de dose baseada na função renal:

    Atualmente, a maneira mais segura e aceitável de determinar a dose é através da função renal utilizando a TFG do paciente (taxa de filtração glomerular) e da fórmula de Calvert para obter a AUC (área sob a curva) recomendada, normalmente no intervalo de 4 – 8 mg/mL x min, dependendo do protocolo, status pré-tratamento, radioterapia concomitante ou comorbidades que possam afetar a função renal do paciente. Este método considera o impacto do tratamento prévio na função renal, que pode requerer doses mais baixas para pacientes com função renal debilitada. A dosagem por este método é calculado em “mg” e não por mg/m2.

    Fórmula de Calvert:

    Dose total (mg) = (AUC estabelecida) x (TFG + 25).

    • Dose baseada na Área de Superfície Corporal:

    Alternativamente, a dose pode ser baseada na área de superfície corporal do paciente (m2 ). Se o paciente for obeso ou tiver grave retenção de fluidos, o peso corporal ideal pode ser usado para estimar a dose.

    • Terapia como agente único:

    A dose única inicial recomendada é de 360 a 400 mg/m2.

    • Terapia combinada:

    Em combinação com outros agentes citotóxicos, a dose inicial recomendada é de 300 mg/m2. Como regra geral, a administração deve ser feita em intervalos cíclicos de 4 semanas. A dose terapêutica deve ser ajustada de acordo com a situação da medula óssea e função renal, conforme descrito a seguir:

    • Medula óssea:

    A determinação do nadir hematológico durante o tratamento com é recomendada para ajuste de dose. Para pacientes que apresentem contagem de plaquetas e neutrófilos acima de 100.000 e 2.000/mm3, respectivamente, a dose pode ser aumentada 25%. Entretanto, doses maiores que 125% da dose inicial não são recomendadas. Para pacientes que apresentem contagem de plaquetas e neutrófilos nos intervalos de 100.000 a 50.000 e de 2.000 a 500/mm3, respectivamente, não é necessário ajuste de dose. Para pacientes que apresentem toxicidade hematológica moderada a grave (como, por exemplo, contagem de plaquetas e neutrófilos abaixo de 50.000 e 500/mm3 respectivamente), uma redução de dose de 25% deve ser considerada, tanto em terapia única como em terapia combinada.

    Na presença de fatores de risco tais como baixo Performance Status, terapias extensivas anteriores com mielossupressores e/ou idade superior a 65 anos, a redução da dose de 20 – 25% é aconselhável; cuidados também são necessários quando for administrado a pacientes que receberam previamente tratamento com fármacos nefrotóxicos, como a cisplatina.

    Este fármaco interage com o alumínio levando à formação de um precipitado e perda da potência; portanto, não utilize materiais contendo partes de alumínio na preparação ou administração deste fármaco.

    Antes da administração, inspecione visualmente se há material particulado ou descoloração na solução. Use a solução assim que possível após a preparação; a infusão deve ser finalizada dentro de 24 horas após a preparação e qualquer resíduo deve ser descartado.


    Efeitos colaterais

    A Carboplatina pode causar alguns efeitos colaterais, os mais comuns são:

    • Supressão da medula óssea (diminuição da função da medula óssea);

    • Leucopenia (redução de células de defesa no sangue);

    • Neutropenia (diminuição de um tipo de células de defesa no sangue - neutrófilos);

    • Anemia (diminuição da quantidade de células vermelhas do sangue - hemácias);

    • Febre;

    • Infecções;

    • Hemorragia (perda excessiva de sangue);

    • Hipocalemia (potássio sanguíneo baixo);

    • Hipocalcemia (cálcio sanguíneo baixo);

    • Hiponatremia (redução da concentração de sódio no sangue);

    • Hipomagnesia (redução da concentração de magnésio no sangue).

    • Neuropatias periféricas (disfunção dos neurônios que pode levar a perda sensorial (diminuição da sensibilidade);

    • Atrofia (diminuição);

    • Fraqueza muscular;

    • Decréscimos nos reflexos profundos;

    • Perda visual transitória (alteração reversível que pode ser completa para luz e cores);

    • Tinido (zumbido no ouvido);

    • Perda auditiva;

    • Insuficiência cardíaca congestiva (incapacidade do coração bombear a quantidade adequada de sangue);

    • Doença arterial coronariana isquêmica (por exemplo: infarto do miocárdio, parada cardíaca, angina e isquemia do miocárdio).

    • Eventos cerebrovasculares (nos vasos do cérebro).

    • Náuseas (enjoo);

    • Vômitos;

    • Mucosite (úlceras na mucosa, dor órgãos do aparelho digestivo);

    • Diarreia;

    • Constipação (prisão de ventre);

    • Dor abdominal;

    • Distúrbios hepatobiliares

    • Reações alérgicas;

    • Hipotensão (pressão baixa);

    • Broncoespasmos (chiado no peito);

    • Mialgia (dor muscular);

    • Artralgia (dor nas articulações);

    • Astenia (fraqueza), sintomas semelhantes à gripe e reações no local da injeção.

    Consulte um médico se algum destes sintomas for grave e/ou não desaparecer.


    Gravidez

    Este medicamento pode causar danos ao feto quando administrado a mulheres grávidas, por isto, este medicamento deve ser utilizado em mulheres grávidas apenas em situações de risco de morte ou diante da impossibilidade de uso de medicamentos seguros ou quando outros medicamentos são ineficazes. Caso seja utilizado durante a gravidez, ou se a paciente engravidar durante o tratamento, a paciente deverá ser alertada sobre os riscos potenciais para o feto.


    Contraindicações

    O uso deste medicamento é contraindicado em:

    • Pacientes com insuficiência renal grave;

    • Pacientes com mielodepressão grave e/ou na presença de sangramento volumoso;

    • Pacientes com hipersensibilidade à carboplatina (substância ativa) ou a outros compostos contendo platina (por exemplo, cisplatina);

    • Pacientes grávidas ou que estejam amamentando.