Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Cardicoron: o medicamento para complicações do coração!

    Cardicoron: o medicamento para complicações do coração!

    Cardicoron é um medicamento antiarrítmico que contém cloridrato de amiodarona como princípio ativo. Esta substância atua no coração, controlando as alterações dos batimentos cardíacos, chamadas arritmias cardíacas.

    COMPARE AQUI OS MELHORES PREÇOS DO MEDICAMENTO CARDICORON

    • Albentel

      Albentel

      2 apresentações
      sem oferta :(
      sem oferta :(


    O que é

    Cardicoron é usado para tratar:

    • Distúrbios graves do ritmo cardíaco, inclusive aqueles resistentes a outras terapêuticas (como por exemplo na Doença de Chagas);

    • Taquicardia ventricular documentada;

    • Taquicardia supraventricular documentada;

    • Alterações do ritmo associadas à síndrome de Wolff-Parkinson-White.

    • Hipertensão arterial leve a moderada.

    • Edema devido a distúrbios cardíacos, hepáticos e renais.

    • Edema devido a queimaduras.

    Você pode encontrar as mais variadas ofertas e promoções deste remédio em nosso site!


    Interações medicamentosas

    Medicamentos que induzem torsade de pointes ou prolongamento do QT:

    • Medicamentos que induzem “torsade de pointes”:

    As associações com medicamentos que podem induzir torsade de pointes são contraindicadas.

    • Medicamentos antiarrítmicos tais como:

    Classe Ia, sotalol, bepridil.

    • Medicamentos não antiarrítmicos:

    Vincamina, alguns agentes neurolépticos, cisaprida, eritromicina IV, pentamidina (quando administradas por via parenteral), uma vez que existe um aumento no risco de ocorrertorsade de pointes potencialmente letal.

    • Medicamentos que causam prolongamento QT :

    A administração concomitante de Cloridrato de Amiodarona com medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QT deve estar baseada em uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios potenciais para cada paciente, pois o risco de “torsade de pointes” pode aumentar (vide “Advertências e Precauções”) e os pacientes devem ser monitorados quanto ao prolongamento do intervalo QT.

    Fluoroquinolonas devem ser evitadas por pacientes recebendo Cloridrato de Amiodarona .

    • Medicamentos que reduzem a frequência cardíaca ou que causam distúrbios de automatismo ou condução:

    As associações com estes medicamentos não são recomendadas.

    Betabloqueadores e bloqueadores do canal de cálcio que reduzem a frequência cardíaca (verapamil, diltiazem), uma vez que podem ocorrer distúrbios de automatismo (bradicardia excessiva) e de condução.

    • Medicamentos que podem induzir hipocalemia:

    As associações com os seguintes medicamentos não são recomendadas.

    Laxativos estimulantes podem levar a hipocalemia e consequentemente, aumento do risco detorsade de pointes. Por isso, devem ser utilizados outros tipos de laxantes.

    Deve-se ter cautela quando os seguintes medicamentos são utilizados em associação com Cloridrato de Amiodarona, como:

    • Alguns diuréticos indutores de hipocalemia, isolados ou combinados;

    • Corticosteroides sistêmicos (gluco-, mineralo-), tetracosactida;

    • Anfotericina B (IV).

    Deve-se prevenir o início de hipocalemia (e corrigir a hipocalemia); o intervalo QT deve ser monitorado e, em caso detorsade de pointes, não administrar antiarrítmicos (instituir marcapasso ventricular; pode ser administrado magnésio IV).

    • Anestesia geral:

    Bradicardia (irresponsiva à atropina), hipotensão, distúrbios da condução, redução do débito cardíaco.

    Foram observados casos muito raros de complicações respiratórias severas (síndrome de angústia respiratória aguda do adulto), às vezes fatais, geralmente no período pós-cirúrgico imediato. Isto pode estar relacionado com uma possível interação com altas concentrações de oxigênio.

    Efeito de Cloridrato de Amiodarona sobre outros produtos:

    o Cloridrato de Amiodarona e/ou seu metabólito, a desetil Cloridrato de Amiodarona , inibem os CYP1A1, CYP1A2, CYP3A4, CYP2C9, CYP2D6 e a glicoproteína P e podem aumentar a exposição de seus substratos.

    Devido à longa meia-vida do Cloridrato de Amiodarona , as interações podem ser observadas por vários meses após a descontinuação do Cloridrato de Amiodarona .

    • Substratos P-gp:

    o Cloridrato de Amiodarona é um inibidor da P-gp. A administração concomitante com substratos da P-gp deverá resultar em aumento de suas exposições.

    • Digitálicos:

    Pode ocorrer perturbação no automatismo (bradicardia excessiva) e na condução atrioventricular (ação sinérgica). Além disso, um aumento na concentração plasmática da digoxina é possível devido à redução doclearancede digoxina.

    Devem ser monitorados os níveis de digoxina plasmática e ECG. Os pacientes devem ser observados quanto aos sinais clínicos de toxicidade digitálica. Pode ser necessário ajuste posológico do digitálico.

    • Dabigatrana:

    Deve-se ter cautela quando o Cloridrato de Amiodarona é administrada com dabigatrana devido ao risco de sangramento. Se necessário, ajustar a dose de dabigatrana de acordo com as informações de sua bula.

    • Substratos do CYP 2C9:

    o Cloridrato de Amiodarona aumenta as concentrações de substratos da CYP 2C9 tais como varfarina ou fenitoína através da inibição do citocromo P450 2C9.

    • Varfarina:

    A combinação de varfarina com Cloridrato de Amiodarona pode exacerbar o efeito do anticoagulante oral, elevando o risco de sangramento. É necessário monitorar os níveis de protrombina (INR) regularmente e ajustar as doses orais do anticoagulante durante e após o tratamento com Cloridrato de Amiodarona .

    • Fenitoína:

    A combinação de fenitoína com Cloridrato de Amiodarona pode resultar em superdose de fenitoína, resultando em sinais neurológicos. Deve ser empregada monitoração clínica e a dose de fenitoína deve ser reduzida logo que surgirem sinais de superdose. Devem ser determinados os níveis de fenitoína plasmática.

    Substratos do CYP 2D6:

    • Flecainida:

    o Cloridrato de Amiodarona aumenta as concentrações plasmáticas da flecainida, pela inibição do citocromo CYP2D6. Portanto, a dose de flecainida deve ser ajustada

    Substratos do CYP P450 3A4:

    Quando tais substâncias são administradas concomitantemente com Cloridrato de Amiodarona , um inibidor do CYP3A4, pode ocorrer um aumento de suas concentrações no plasma, o que poderá acarretar num possível aumento de sua toxicidade.

    • Ciclosporina:

    A combinação com Cloridrato de Amiodarona pode aumentar os níveis plasmáticos de ciclosporina. A dose deve ser ajustada.

    • Fentanila:

    A combinação com Cloridrato de Amiodarona pode acentuar os efeitos farmacológicos da fentanila e aumentar o risco de toxicidade.

    • Estatinas:

    O risco de toxicidade muscular (ex.: rabdomiólise) é aumentado pela administração concomitante de Cloridrato de Amiodarona e estatinas metabolizadas pelo CYP 3A4, tais como sinvastatina, atorvastatina e lovastatina. Recomenda-se o uso de estatinas não metabolizadas pelo CYP3A4 quando administradas com Cloridrato de Amiodarona .

    • Outros medicamentos metabolizados pelo CYP3A4:

    Lidocaína, tacrolimus, sildenafila, midazolam, triazolam, diidroergotamina, ergotamina e colchicina.

    Efeito de outros produtos sobre Cloridrato de Amiodarona:

    Os inibidores do CYP 3A4 e do CYP 2C8 podem ter um potencial para inibir o metabolismo do Cloridrato de Amiodarona e aumentar a sua exposição.

    Recomenda-se evitar inibidores do CYP 3A4 (por exemplo, suco de toranja e determinados medicamentos) durante o tratamento com Cloridrato de Amiodarona .

    Outras interações medicamentosas com Cloridrato de Amiodarona:

    A administração concomitante de Cloridrato de Amiodarona com sofosbuvir m combinação com outro antiviral de ação direta sobre o vírus da Hepatite C (como daclatasvir, simeprevir ou ledipasvir) não é recomendada, pois pode levar a bradicardia sintomática grave. O mecanismo para este efeito de bradicardia é desconhecido.

    Se a coadministração não puder ser evitada, o monitoramento cardíaco é recomendado.


    Nomes comerciais

    Este medicamento pode ser encontrado sob a forma genérica ou através dos nomes comerciais a seguir:

    • Ancoron;

    • Atlansil;

    • Angyton;

    • Amioron;

    • Amiobal;

    • Hiperterona;

    • Miodarid;

    • Miodaron.


    Formas de tomar

    Posologia:

    600 a 1000 mg ao dia durante 8 a 10 dias. Determinar a dose mínima eficaz que pode variar de 100 a 400 mg/dia.


    Efeitos colaterais

    O Cardicoron pode causar alguns efeitos colaterais, os mais comuns são:

    • Bradicardia;

    • Hipotireoidismo;

    • Microdepósitos na córnea;

    • Náuseas;

    • Vômitos;

    • Disgeusia;

    • Aumento isolado das transaminases séricas;

    • Distúrbios hepáticos agudos com aumento das transaminases séricas e/ou icterícia, incluindo insuficiência hepática;

    • Tremor extra-piramidal;

    • Pesadelos;

    • Distúrbios do sono;

    • Toxicidade pulmonar (pneumonite alveolar/ intersticial ou fibrose, pleurite, bronquiolite obliterante com pneumonia em organização);

    • Fotossensibilidade;

    • Pigmentação grisácea ou azulada da pele.

    Consulte um médico se algum destes sintomas for grave e/ou não desaparecer.


    Gravidez

    O Cloridrato de Amiodarona é contraindicado durante a gravidez em virtude de seus efeitos na glândula tireoide do feto, a menos que os benefícios superem os riscos ao feto.

    Se você estiver amamentando, tome cuidado! Pois o Cloridrato de Amiodarona (substância ativa deste fármaco) é excretado no leite materno em quantidades significativas e por isso, é contraindicada em lactantes.


    Contraindicações

    O uso deste medicamento é contraindicado pacientes com:

    • Hipotensão arterial grave, colapso circulatório.

    • Doença tireoidiana presente ou anterior.

    • Hipersensibilidade ao iodo, à amiodarona ou a qualquer um dos excipientes da fórmula.

    • Bradicardia sinusal, bloqueio sino-atrial e doença do nó sinusal.

    • Distúrbios graves de condução atrioventricular.

    • Insuficiência renal com anúria;

    • Pré-coma e coma hepático associado com encefalopatia hepática;

    • Hipopotassemia severa;

    • Hiponatremia grave;

    • Hipovolemia (com ou sem hipotensão) ou desidratação;

    • Hipersensibilidade à furosemida, às sulfonamidas e aos componentes da fórmula;

    • Lactantes;

    • Durante a gravidez .