Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Diabetes: conheça seus tipos e saiba como tratá-la

    Diabetes: conheça seus tipos e saiba como tratá-la

    O que é?

    Diabetes mellitus, comumente conhecida como diabetes, é uma doença metabólica que causa níveis elevados de açúcar no sangue. O hormônio insulina move o açúcar do sangue para as células para ser armazenado ou usado como energia. Com esse distúrbio, seu corpo não produz insulina suficiente ou não pode efetivamente usar a insulina que produz.

    O alto nível de açúcar no sangue não tratado pode prejudicar seus nervos, olhos, rins e outros órgãos.

    Você sabia? O tipo 2 é muito mais comum do que o tipo 1, e é responsável por cerca de 90% de todos os casos da doença no mundo.

    Tipos

    Existem alguns tipos diferentes:

    O tipo 1 é uma doença autoimune. O sistema imunológico ataca e destrói as células do pâncreas, onde a insulina é produzida. Não está claro o que causa esse ataque. Cerca de 10% das pessoas têm esse tipo;

    O tipo 2 ocorre quando o corpo se torna resistente à insulina e o açúcar se acumula no sangue;

    A pré-diabetes ocorre quando o açúcar no sangue está acima do normal, mas não é alto o suficiente para um diagnóstico do tipo 2;

    A diabetes gestacional é determinada pelo alto nível de açúcar no sangue durante a gravidez. Os hormônios bloqueadores de insulina produzidos pela placenta causam esse tipo de complicação da doença.

    Uma condição rara chamada diabetes insipidus não está relacionada à diabetes mellitus, embora tenha um nome semelhante. Essa é uma condição diferente, em que os rins removem muito líquido do corpo.

    Sintomas

    Os sintomas são causados ​​pelo aumento de açúcar no sangue.

    Sintomas gerais

    Os sintomas gerais incluem:

    • Aumento da fome;

    • Aumento da sede;

    • Perda de peso;

    • Micção frequente;

    • Visão embaçada;

    • Fadiga extrema;

    • Feridas que não cicatrizam.

    Sintomas em homens

    Além dos sintomas gerais, os homens podem ter a líbido (desejo sexual) diminuída, disfunção erétil e pouca força muscular.

    Sintomas em mulheres

    Mulheres também desenvolver outros sintomas como: infecções do trato urinário, infecções por fungos e pele seca e com coceira.

    Tipo 1

    Os sintomas do tipo 1 podem incluir:

    • Fome extrema;

    • Aumento da sede;

    • Perda de peso involuntária;

    • Micção frequente;

    • Visão embaçada;

    • Cansaço;

    • Mudanças no humor.

    Tipo 2

    Os sintomas do tipo 2 podem incluir:

    • Aumento da fome;

    • Aumento da sede;

    • Aumento da micção;

    • Visão embaçada;

    • Cansaço;

    • Feridas que demoram a cicatrizar.

    Também pode causar infecções recorrentes. Isso ocorre por conta dos níveis elevados de glicose, que acabam por dificultar a cura do corpo.

    Diabetes gestacional

    A maioria das mulheres com tipo gestacional não apresenta sintomas. A condição é frequentemente detectada durante um teste de glicemia de rotina ou teste oral de tolerância à glicose que é normalmente realizado entre a 24ª e a 28ª semana de gestação.

    Em casos raros, uma mulher que desenvolver esse tipo de condição também experimentará o aumento da sede ou da micção.

    Fatores de risco

    Tipo 1

    É mais provável ter o tipo 1 se o indivíduo for criança ou adolescente, tiver um pai ou um irmão com essa condição ou se tiver alguns genes relacionados à doença.

    Tipo 2

    Seu risco de ter tipo 2 aumenta se você:

    • Está acima do peso;

    • Têm 45 anos ou mais;

    • Ter um dos pais ou irmão(s) com a condição;

    • Não é fisicamente ativo;

    • Teve diabetes gestacional;

    • Tem pré-diabetes;

    • Tem a pressão arterial elevada, níveis elevados de colesterol, ou níveis elevados de triglicéridos;

    • Têm ascendência afro-americana, hispânica ou latino-americana, nativa do Alasca, das ilhas do Pacífico, da índia americana ou asiática.

    Diabetes gestacional

    Seu risco aumenta se você:

    • Está acima do peso;

    • Têm mais de 25 anos;

    • Teve durante uma gravidez passada;

    • Deu a luz um bebê com mais de 9 quilos;

    • Tem um histórico familiar do tipo 2;

    • Tem síndrome dos ovários policísticos (SOP).

    Alimentação

    A alimentação saudável é uma parte central do controle dessa doença. Em alguns casos, mudar sua dieta pode ser suficiente para controlar a doença.

    Tipo 1

    Seu nível de açúcar no sangue aumenta ou diminui com base nos tipos de alimentos que você ingere. Alimentos ricos em amido ou açúcares aumentam rapidamente os níveis de açúcar no sangue. Proteína e gordura causam aumentos mais graduais.

    Sua equipe médica pode recomendar que você limite a quantidade de carboidratos que você come todos os dias. Você também precisará equilibrar sua ingestão de carboidratos com suas doses de insulina.

    Trabalhe com um nutricionista que possa ajudá-lo a elaborar um plano de refeições para essa doença. Obter o equilíbrio certo de proteína, gordura e carboidratos pode ajudá-lo a controlar o açúcar no sangue.

    Tipo 2

    Comer os tipos certos de alimentos pode controlar o açúcar no sangue e ajudar a perder qualquer excesso de peso.

    Contagem de carboidratos é uma parte importante de comer para o tipo 2. Um nutricionista pode ajudá-lo a descobrir quantos gramas de carboidratos comer em cada refeição.

    Para manter os níveis de açúcar no sangue estáveis, tente comer pequenas refeições ao longo do dia. Consuma alimentos saudáveis ​​como:

    • Frutas;

    • Legumes;

    • Grãos integrais;

    • Proteína magra, como aves e peixes;

    • Gorduras saudáveis, como azeite e nozes.

    Diabetes gestacional

    Comer uma dieta bem equilibrada é importante para você e seu bebê durante esses nove meses. Fazer as escolhas alimentares corretas também pode ajudá-lo a evitar fazer uso de medicamentos para controlar essa complicação.

    Observe o tamanho das suas porções e limite os alimentos açucarados ou salgados. Embora você precise de um pouco de açúcar para alimentar seu bebê em crescimento, evite comer demais.

    Considere fazer um plano alimentar com a ajuda de um nutricionista ou nutricionista. Eles vão garantir que sua dieta tenha a combinação certa de macronutrientes.

    Tratamento

    Tipo 1

    A insulina é o principal tratamento para o tipo 1. Substitui o hormônio que seu corpo não é capaz de produzir.

    Existem quatro tipos de insulina que são mais comumente usados. Eles são diferenciados pela rapidez com que começam a trabalhar e por quanto tempo duram os efeitos:

    • A insulina de ação rápida começa a funcionar em 15 minutos e seus efeitos duram de 3 a 4 horas;

    • A insulina de ação curta começa a funcionar em 30 minutos e dura 6 a 8 horas;

    • A insulina de ação intermediária começa a funcionar em 1 a 2 horas e dura de 12 a 18 horas;

    • A insulina de ação prolongada começa a funcionar algumas horas após a injeção e dura 24 horas ou mais.

    Tipo 2

    Dieta e exercício podem ajudar algumas pessoas a controlar o tipo 2. Se as mudanças no estilo de vida não forem suficientes para diminuir o açúcar no sangue, você precisará tomar medicação.

    Essas drogas reduzem o açúcar no sangue de várias maneiras:

    Inibidores da alfa-glicosidase

    Diminui a degradação do seu corpo de açúcares e alimentos ricos em amido.

    Indicação: Acarbose e miglitol.

    Biguanidas

    Reduz a quantidade de glicose que seu fígado produz.

    Indicação: Metformina.

    • Atrovex

      Atrovex

      2 apresentações
      R$ 8,30
      R$ 8,30

    Inibidores da DPP-4

    Melhora o açúcar no sangue sem fazê-lo cair a níveis muito baixos.

    Indicação: Linagliptina, saxagliptina e sitagliptina.

    Peptídeos semelhantes ao glucagon

    Muda a maneira como seu corpo produz insulina.

    Indicação: Dulaglutida, exenatide e liraglutida.

    Meglitinides

    Estimula seu pâncreas a liberar mais insulina.

    Indicação: Nateglinida e repaglinida.

    Inibidores de SGLT2

    Faz liberar mais glicose na urina.

    Indicação: Canagliflozina e dapagliflozina.

    Sulfoniluréias

    Estimula seu pâncreas para liberar mais insulina.

    Indicação: Glibenclamida, glipizida e glimepirida.

    Tiazolidinedionas

    Ajuda a insulina a funcionar melhor.

    Indicação: Pioglitazona e rosiglitazona.

    Você pode precisar tomar mais de um desses medicamentos. Algumas pessoas com o tipo 2 também tomam insulina.

    • Atrovex

      Atrovex

      2 apresentações
      R$ 8,30
      R$ 8,30

    Diabetes gestacional

    Você precisará monitorar seu nível de açúcar no sangue várias vezes ao dia durante a gravidez. Se for alto, mudanças na dieta e exercícios podem ou não ser suficientes para derrubá-lo.

    Cerca de 10 a 20 por cento das mulheres com esse tipo de complicação precisarão de insulina para baixar o açúcar no sangue. A insulina é segura para o bebê em crescimento.

    Encontre o médico ideal para tratar a sua diabetes ou qualquer outro sintoma que esteja te incomodando aqui.