Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Isossorbida: para que serve, posologia e muito mais!

    Isossorbida: para que serve, posologia e muito mais!

    Isossorbida é um fármaco utilizado no tratamento da angina, edema agudo de pulmão e insuficiência cardíaca congestiva. Trata-se de um vasodilatador direto.

    Este fármaco promove uma vasodilatação coronariana e venosa. Possui uma ação relaxante direta sobre a circulação coronária e circulação venosa.


    O que é

    É usada para tratar:

    • À terapia de ataque e de manutenção na insuficiência coronária;

    • À terapia de ataque e de manutenção na insuficiência cardíaca aguda ou crônica, em associação aos cardiotônicos, diuréticos e também aos inibidores da enzima conversora;

    • Durante a ocorrência de crises de angina ou em situações que possam desencadeá-las.

    Também é usado para tratar e prevenir:

    • Angina de esforço;

    • Angina de repouso;

    • Angina pós-infarto.

    O termo angina caracteriza “dor” e seu uso mais rotineiro na prática médica diz respeito a dor ou desconforto torácico. A causa mais comum de angina é a doença arterial coronária (aterosclerose), quando as coronárias (vasos que levam oxigênio ao músculo cardíaco) estão endurecidas ou obstruídas por cálcio, placas de gordura, plaquetas e fibrina. Em outras situações como em anemia grave ou quando o músculo está muito hipertrofiado o paciente pode ter angina mesmo se as coronárias estiverem normais.

    Você pode encontrar as mais variadas ofertas e promoções deste remédio em nosso site!


    Composição

    Cada comprimido de 20 mg contém:

    mononitrato de isossorbida ............ 20 mg

    Excipientes: lactose monoidratada, celulose microcristalina, amido, croscarmelose sódica, talco, dióxido de silício e estearato de magnésio.

    Cada comprimido de 40 mg contém:

    mononitrato de isossorbida ............ 40 mg

    Excipientes: lactose monoidratada, celulose microcristalina, amido, croscarmelose sódica, talco, dióxido de silício e estearato de magnésio.


    Interações medicamentosas

    O uso concomitante com acetilcolina, anti-histamínicos ou anti-hipertensivos aumenta o efeito hipotensor ortostático dos nitratos; com simpaticomiméticos, pode ter reduzido o seu efeito antianginoso.

    O uso concomitante de medicamentos para disfunção erétil como sildenafila ou tadalafila pode causar hipotensão grave e colocar em risco pacientes cardiopatas.


    Nomes comerciais

    Este medicamento pode ser encontrado sob a forma genérica ou através dos nomes comerciais a seguir:

    • Coronar;

    • Monocordil;

    • Cincordil.


    Formas de tomar

    Você deve tomar os comprimidos por via oral, sem mastigar e com líquido suficiente para engolir.

    A posologia habitual é de 1/2 a 1 comprimido, 2 a 3 vezes ao dia, ou a critério médico e de acordo com a sua condição.

    Para obtenção do efeito terapêutico máximo, tanto na insuficiência coronária como na insuficiência cardíaca, recomenda-se o início do tratamento com pequenas doses e aumentá-las progressivamente, de acordo com a resposta terapêutica e a tolerabilidade.


    Precauções

    Como com todos os nitratos, recomenda-se cautela quando administrado a pacientes com glaucoma, hipertireoidismo, anemia severa, traumatismo craniano recente, hemorragia cerebral.

    Este medicamento pode ser usado por pessoas acima de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções do produto.


    Efeitos colaterais

    A Isossorbida pode causar alguns efeitos colaterais, os mais comuns são:

    Consulte um médico se algum destes sintomas for grave e/ou não desaparecer:


    Gravidez

    Como qualquer outro fármaco, este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

    Informe ao seu médico se você está fazendo uso de algum outro medicamento.


    Contraindicações

    Este medicamento não deve ser usado por pacientes que apresentem hipersensibilidade (alergia) ao mononitrato de Isossorbida ou a qualquer outro componente presente em sua formulação.

    Este medicamento também é contraindicado para uso por pacientes que apresentam hipotensão arterial grave.

    Embora os nitratos não devam ser administrados de rotina no infarto do miocárdio, deve-se reservar seu uso para os casos complicados com insuficiência cardíaca, hipertensão arterial ou dor persistente, onde a suboclusão da artéria responsável pelo infarto, espasmo ou lesões críticas em outras artérias permanecem inalterados.


    Características Farmacológicas

    Farmacodinâmica:

    Este medicamento, por possuir uma ação relaxante direta sobre a circulação coronária e circulação venosa, faz com que haja um aumento do fluxo coronário e redução da pré-carga.

    Ao ocorrer a venodilatação, há uma diminuição do retorno venoso, do volume cardíaco, da pressão diastólica final do ventrículo esquerdo, com consequente diminuição da pré-carga e do consumo de oxigênio.

    Reduzem-se também a pressão capilar pulmonar e a pressão na artéria pulmonar, sendo este o mecanismo básico da melhora da performance cardíaca.

    Concomitantemente à ação no sistema venoso, ocorre uma vasodilatação no sistema arterial periférico, induzindo à diminuição da resistência vascular sistêmica, da pressão arterial, da pressão sistólica intraventricular e resistência à ejeção ventricular, fazendo com que ocorra um aumento da fração de ejeção, diminuição da pós-carga e do consumo de oxigênio.

    Ambos os mecanismos, diminuição da pré-carga e da pós-carga, além de responsáveis pelo efeito favorável do mononitrato de isossorbida na insuficiência cardíaca, são também importantes, juntamente com o mecanismo abaixo descrito, para seu efeito antianginoso.

    Desta forma, no que se refere à insuficiência coronária, é importante frisar-se, além dos mecanismos citados, a dilatação do sistema coronário e suas colaterais, com redução da resistência coronária, aumento do fluxo sanguíneo, diminuição da pressão diastólica final do ventrículo esquerdo, inibição do espasmo, aumento e melhora da distribuição da perfusão a nível subendocárdico, sede mais sensível dos episódios isquêmicos, com consequente aumento da oferta de oxigênio.

    Quanto à dilatação dos grandes ramos coronários, não se tem um sequestro sanguíneo, mas uma redistribuição favorável da perfusão, com preferência pela zona isquêmica, por aumento do fluxo colateral.

    Estudos cinecoronariográficos, com opacificação seletiva dos vasos coronários, antes e após a administração de nitratos, permitiram observar o diâmetro do calibre das artérias e seu melhor enchimento, tanto em vasos normais como em pacientes com aterosclerose.

    Farmacocinética:

    Este fármaco é rápida e completamente absorvida pelo trato gastrintestinal após administração oral, sem sofrer “efeito de primeira passagem” no fígado, como ocorre com o dinitrato de isossorbida.

    Em consequência, a biodisponibilidade é praticamente 100%, a concentração sanguínea obtida por via oral é semelhante à obtida após a aplicação intravenosa de dose igual.

    Pela via oral, sua ação é gradual, tendo início 20 minutos após administração, atingindo concentração sanguínea máxima em 1 a 2 horas.