Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Os melhores remédios para hipotireoidismo e hipertireoidismo!

    Os melhores remédios para hipotireoidismo e hipertireoidismo!

    hipotireoidismo é uma condição no qual a glândula da tireoide não produz hormônios suficientes para suprir as necessidades do organismo do indivíduo. A tireoide é uma pequena glândula em forma de borboleta que fica na frente do pescoço – ela é responsável por liberar hormônios que facilitam e ajudam o corpo a regular e usar energia.

    Hipotireoidismo

    Mulheres gestantes estão propensas ao desenvolvimento dessa doença durante ou após a gestação – pois produzem anticorpos que se voltam contra sua própria tireoide, afetando a produção dos hormônios. Sem o tratamento imediato, pode haver complicações.

    Os fatores de risco para adquirir essa condição são diversos, como: portar uma doença autoimune, ter histórico familiar, já ter feito uma cirurgia de tireoide ou usar medicamentos que possam influenciar nessa parte do organismo.

    Causas

    A tireoide é um órgão que pertence ao sistema endócrino – ela se localiza na região do pescoço, bem ao redor da traqueia. É responsável pela produção de 2 hormônios muito importantes: a tetraiodotironina e a tri-iodotironina – ambos controlam o metabolismo e suas células que gastam energia.

    Essa doença ocorre quando os níveis desses hormônios importantes estão muito baixos, o que resulta em um paciente cansado, com dificuldade em perder peso, raciocínio lento, sonolência constante, cabelos e unhas quebradiças e frágeis.

    A doença de Hashimoto é uma condição autoimune e a causa mais comum de hipotireoidismo – pois ela ataca diretamente a glândula da tireoide, causando uma inflamação crônica. Por conta dessa inflamação, as funções da tireoide se reduzem.

    Os sintomas e sinais da doença podem variar de pessoa para pessoa. Os sintomas são difíceis de identificar, por parecem coisas rotineiras e passageiras – eles podem incluir o ganho de peso e a fadiga.

    Geralmente, para a maior parte das pessoas com a doença, os sintomas progridem gradualmente ao longo do tempo, e a medida que a tireoide diminui cada vez mais, os sinais vão se tornando visíveis.

    Os sintomas mais recorrentes são: fadiga, sono excessivo, ganho de peso em pouco tempo, depressão, muito frio, pele seca, fraqueza muscular, colesterol alto, alterações menstruais, queda de cabelo ou ressecamento, rosto inchado e rouquidão.

    Tratamento

    Um dos tratamentos mais fáceis e eficazes para essa doença é a mudança do estilo de vida, ou seja: preferência por uma dieta mais balanceada, redução do consumo de alimentos com soja, exercícios diários e aeróbicos, atenção as doses de remédios e, principalmente, o acompanhamento de um especialista.

    Essa doença é fácil de ser tratada, mas não é por isso que você deve se automedicar. Procure um médico, de preferência para remédios prescritos!

    Medicamento indicado

    Levotiroxina: Medicamento a base de hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireóide.

    Este medicamento é contraindicado em casos de hipersensibilidade aos componentes da fórmula, infarto do miocárdio recente, tireotoxicose não tratada de qualquer etiologia, insuficiência da supra-renal não compensada, anginapectorise hipertensão arterial não tratadas.

    • Atrovex

      Atrovex

      2 apresentações
      R$ 8,30
      R$ 8,30

    Hipertireoidismo

    hipertireoidismo é uma condição específica da tireoide – uma glândula pequena em forma de borboleta que está localizada na região frontal do pescoço. Ela é responsável pela produção de dois hormônios primários e fundamentais: tetraiodotironina e tri-iodotironina, que controlam como as células usaram a energia no corpo. A tireoide regula o metabolismo do ser humano através da liberação desses hormônios.

    Podemos caracterizar, primeiramente, a doença como o excesso na produção de T4 e T3 pela tireoide. Seu diagnóstico e tratamento podem aliviar e prevenir outros tipos de complicação.

    Essa condição pode ser vista ocorrendo como uma inflamação na tireoide, por uma condição autoimune ou um nódulo na região que produz em abundância o T4. Há casos também onde uma irritação da tireoide conhecida como tireoidite permite que muitos hormônios tireoidianos entrem na corrente sanguínea – levando dor e desconforto. Mulheres grávidas podem ser afetadas pela doença durante a gestação.

    Causas

    Há uma variedade de causas que podem desencadear essa doença. O distúrbio autoimune – denominado de Doença de Graves – é a causa mais comum, atingindo muito mais mulheres do que homens. Essa doença faz com que os anticorpos estimulem a tireoide a secretar hormônios em abundância.

    Há também outros fatores causadores, como: tumores dos ovários ou testículos, inflamação da tireoide, medicamentos, tumores da glândula da tireoide e excesso de iodo.

    Alguns sinais gritantes podem ser vistos quando o paciente está com com esta complicação: nota-se os olhos mais saltados e salientes (condição relacionada à Doença de Graves), uma perda de peso considerável e muito rápida, pulsação rápida, elevada pressão arterial, tremores nas mãos e tireoide aumentada – em mulheres é possível destacar ciclos menstruais bastante irregulares.

    Os sintomas podem variar dependendo da pessoa e de como seu organismo vai reagir a superprodução dos hormônios da tireoide. Geralmente podemos perceber um aumento do apetite, fraqueza, dificuldade para dormir, coceira, arritmia cardíaca, cabelo quebradiço e com grande volume de queda, náuseasvômitos, nervosismo e inquietação – os homens com essa condição podem ter um aumento considerável das mamas.

    Quando os sintomas se agravarem, ou surgirem seguidos de falta de ar, desmaio, frequência cardíaca irregular e tontura, pode ser necessária um acompanhamento médico urgente. Muitas vezes, essa doença pode engatilhar problemas do coração – ou ser um sinal de uma disfunção cardíaca, como a fibrilação arterial ou insuficiência cardíaca congestiva.

    Tratamentos

    Um dos tratamentos mais fáceis e eficazes para essa doença é a mudança do estilo de vida, ou seja: preferência por uma dieta mais balanceada, redução do consumo de alimentos com iodo, exercícios diários e aeróbicos, atenção as doses de remédios e, principalmente, o acompanhamento de um especialista.

    Essa é uma condição fácil de ser tratado, mas não é por isso que você deve se automedicar. Procure um médico, e utilize apenas de remédios que foram prescritos!

    Caso ainda tenha dúvidas e esteja preocupada com seu quadro de hipertireoidismo, encontre o médico que melhor atenda às suas necessidades aqui!

    Medicamentos indicados

    Propiltiouracil: É um medicamento em comprimidos indicado para o tratamento clínico de hipertireoidismo.

    Propiltiouracil é contraindicado a pacientes que apresentam hipersensibilidade à propiltiouracila ou a qualquer componente da fórmula, e no período de amamentação, uma vez que o fármaco é excretado no leite materno.

    Este medicamento também é contraindicado a mulheres que estejam amamentando.

    Tiamazol: Indicado no tratamento clínico de hipertireoidismo, com terapia a longo prazo, levando a remissão da doença.

    Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com hipersensibilidade a substância ativa e por mulheres que estejam amamentando, já que o Tiamazol (substância ativa) é excretado no leite.

    Tiamazol (substância ativa) não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

    Metimazol: É um antitireoidiano usado para o tratamento de hipertireoidismo e tireotoxicose. Ele inibe a produção de tireoglobulina, o precursor dos principais hormônios da tireoide T3 e T4 (tiroxina).

    Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula e por mulheres que estejam amamentando.

    Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.