Economize em seus medicamentos

    Conheça o Dr. Entrega
    Saiba quais condições o Ana-Flex pode tratar!

    Saiba quais condições o Ana-Flex pode tratar!

    Ana-Flex é indicado no alívio da dor associada a contraturas musculares e para a dor de cabeça tensional, em adultos.

    O medicamento em destaque possui em sua composição 3 compostos: Citrato de Orfenadrina, Dipirona Sódica e Cafeína Anidra, que são responsáveis pela sua ação analgésica e relaxante muscular.

    O Citrato de Orfenadrina é uma substância anticolinérgica, com um mecanismo de ação central, que tem propriedades analgésicas e anti-histamínicas fracas, sendo responsável pelo alívio da dor associada a contraturas musculares de origem traumática ou inflamatória. A ação do Citrato de Orfenadrina é potencializada pela Dipirona Sódica e pela Cafeína Anidra, presentes na composição de Ana-Flex.

    A Dipirona Sódica, é um derivado pirazolônico não-narcótico, cuja a sua ação não se encontra totalmente esclarecida, no entanto sabe-se que a Dipirona Sódica e seu principal metabólito, o 4-N-metilaminoantipirina, possuem mecanismo de ação central e periférico combinados.

    Seu início de ação se dá por 30 minutos após a sua administração.

    COMPARE AQUI OS MELHORES PREÇOS DO MEDICAMENTO ANA-FLEX

    • Citrato De Sidenafila

      Citrato De Sidenafila

      3 apresentações
      R$ 1,77
      R$ 1,77


    Indicações:

    O Ana-Flex é indicado para tratar e aliviar:

    • Contratura muscular:

    A contratura muscular é uma contração contínua e involuntária de um músculo ou algumas fibras dele. Ou seja, quando o músculo contrai de forma errada e não retorna ao seu estado natural de relaxamento, a contratura aparece. A região afetada pode aumentar de volume, apresentar dor e/ou prejudicar a mobilidade de quem passa pelo problema.

    Apesar de não ser um problema muito grave, quando uma contratura muscular aparece frequentemente ou quando se mantém por alguns dias, pode ser sinal de desequilíbrio ou fraqueza muscular, que no futuro leva a alterações posturais.

    A contratura muscular é uma das causas mais comuns para o aparecimento de dores nas costas, especialmente no pescoço e nos ombros.

    Por que acontece:

    Apesar da zona das costas ser uma das áreas mais afetadas, as contraturas podem surgir em qualquer outra região corporal. Em esportistas, estas lesões musculares são também frequentes nas coxas e na panturrilha devido ao acúmulo de ácido lático durante a realização de exercício físico.

    Não existem causas específicas para a contratura muscular, porém, há alguns fatores que contribuem para o seu aparecimento. São alguns deles: Estresse, má postura, falta de fortalecimento muscular, fadiga, rigidez muscular, falta de flexibilidade e a má execução de exercícios.

    Tratamento:

    O tratamento para a contratura muscular deve levar em consideração a causa gatilho que está por trás da contração do músculo. Isso porque essa movimentação incorreta pode ser um alerta de mau posicionamento postural ou até mesmo estar associada a uma doença mais grave.

    Em períodos de maior cansaço, quando houver muita tensão muscular e as contraturas forem recorrentes, é possível recorrer ao uso de relaxantes musculares. Além de ajudarem a relaxar, auxiliam também a aliviar a dor e a dormir melhor, pois o seu efeito relaxante sobre os músculos favorece o sono e o descanso do corpo.

    Além disso, o sedentarismo também contribui para o surgimento das contraturas musculares, por isso se engaje em praticar alguma atividade física.

    • Dor de cabeça:

    Dor de cabeça é a dor em qualquer região da cabeça. As dores de cabeça podem ocorrer em um ou em ambos os lados da cabeça, serem isoladas em determinada localização, irradiarem pela cabeça de um ponto ou a outro, serem latejantes ou uma sensação de dor surda. As dores de cabeça podem aparecer gradualmente ou de repente, e podem durar menos de uma hora ou durante vários dias.

    Uma dor de cabeça pode ser um sinal de estresse, de sofrimento emocional, de distúrbio médico, enxaqueca, pressão alta, ansiedade ou depressão. Na maioria dos casos de dor de cabeça, o desaparecimento do incômodo ocorre por conta própria, não sendo um sinal de algo mais sério.

    Apesar de algumas dores de cabeça serem leves, em muitos casos, elas podem causar uma dor intensa que dificulta a concentração no trabalho e a realização de outras atividades diárias. Felizmente, a maioria das dores de cabeça pode ser controlada com medicação e mudanças no estilo de vida.

    Tratamento:

    Nos casos de cefaleias secundárias, o tratamento se voltará para o controle das enfermidades de base. Quanto às cefaleias primárias, ele varia de acordo com o tipo da doença. Crises esporádicas de cefaleia tensional costumam responder bem ao uso de analgésicos comuns. Nos quadros crônicos, medicamentos antidepressivos têm-se mostrado eficazes. Mudanças no estilo de vida que ajudem a controlar a tensão e o estresse, assim como a prática de exercícios físicos e de relaxamento são medidas importantes tanto para a prevenção quanto para o alívio da dor.

    O tratamento das cefaleias em salvas tem basicamente dois objetivos: prevenir novas crises e cortar a dor tão logo tenha se manifestado. Na verdade, esse tipo de cefaleia só responde a medicamentos que agem diretamente sobre os receptores da serotonina. O efeito é bastante rápido se forem injetados por via subcutânea no início da crise. A inalação de oxigênio é outro recurso terapêutico útil para controle da dor. Quanto ao tratamento preventivo, existem vários medicamentos que apresentam bons resultados, mas só devem ser utilizados com indicação médica.

    Muitas vezes, os episódios de enxaqueca podem ser controlados com analgésicos comuns, como o Ana-Flex. Quando isso não acontece, existe uma classe de drogas chamada triptanos, que apresenta bons resultados no controle da dor e baixa incidência de efeitos colaterais. A resposta ao tratamento é mais eficaz, quando iniciado logo que surgem os primeiros sintomas.


    Precauções

    Antes de utilizar, é importante saber:

    Fale com o seu médico em casos da presença de asma analgésica, intolerância analgésica, asma brônquica, urticária crônica, intolerância ao álcool, intolerância a corantes ou conservantes, doença nos rins ou no fígado, tiver historial de alergias, tiver mais de 65 anos, distúrbios do coração ou estiver a tomar outros medicamentos.

    Este medicamento pode prejudicar a capacidade, e por isso durante o tratamento deve evitar dirigir veículos e máquinas.

    Em casos de tratamento prolongado com Ana-Flex, deve ser feita uma monitorização regular do perfil das características do sangue, da função do fígado e dos rins, e devem ser realizados frequentemente hemogramas.