Seu carrinho ainda está vazio!

Busque um medicamento e adicione aqui para entregarmos os melhores preços.
Istarplas S

Bula do Istarplas S

0 apresentações
sem oferta :( Ver ofertas

BULA COMPLETA DO ISTARPLAS S PARA O PACIENTE

ISTARPLAS S – HALEX ISTAR

SOLUÇÃO INJETÁVEL

60 MG/ML

eletrólitos e colóides) após infusão de Istarplas S.

O poli (O-2 hidroxietil) amido sofre decomposição enzimática pelas alfa-amilases que

leva à formação de oligossacarídeos e polissacarídeos de pesos moleculares variados.

Farmacocinética

Depois de inúmeras investigações sistemáticas, está absolutamente certo que a duração

da ação e o comportamento da eliminação do HES são determinados extensamente pelas

características da molécula.

Depois da infusão intravenosa, as moléculas de baixo peso, são prontamente excretadas

inalteradas pelo rim; as moléculas maiores são metabolizadas e eliminadas mais

lentamente. A taxa do metabolismo e meia-vida do fármaco depende, sobretudo, do

tamanho e das características da molécula, o que conduz a uma taxa de metabolismo mais

lenta e conseqüentemente a uma duração de ação maior. Aproximadamente 33% de uma

dose de HES (alto peso) e aproximadamente 70% de uma dose de HES de peso molecular

médio (baixo peso) é excretada na urina em 24 horas.

A fração molecular das soluções de HES, de baixo peso, é rapidamente excretada e

eliminada pelos rins, e por isso, permanece no sangue por um período de tempo

demasiadamente curto, não sendo considerada, portanto, para a ação terapêutica coloidal

de HES, pois é filtrada pelos glomérulos, não sendo reabsorvida significativamente nos

túbulos.

Metade das moléculas de HES de alto peso, que permanecem por muito mais tempo no

sangue, são quebrados então em moléculas de peso menor, (possivelmente ainda

intravascularmente) e excretadas renalmente.

Basicamente, pode-se antecipar que somente uma parte do HES administrado

intravenosamente, poderá ser encontrada na urina, porque se deve supor que haverá ao

menos um armazenamento provisório de HES e também uma metabolização parcial.

Avaliando as investigações com HES, a recuperação na urina é influenciada pelas

características da molécula, quando HES 200/0,5 é usado, 50%, ou mesmo mais de 60%

do HES infundido é excretado na urina.

O HES 200/0,5 apresenta uma meia-vida plasmática de aproximadamente 4 horas, sendo

eliminado principalmente através dos rins; 50% da dose administrada são encontradas na

urina em menos de 24 horas. Pequenas quantidades são temporariamente armazenadas

nos tecidos. O poli (O-2 hidroxietil) amido (HES 200/0,5) pode ser eliminado por

diafiltração, mas não por diálise. A meia-vida intravascular e o tempo de retenção,

respectivamente, estão correlacionados à gravidade da insuficiência renal. Após 30

minutos, o cloreto de sódio é distribuído por todo o espaço extracelular. O cloreto de sódio

é eliminado principalmente por via renal, pequenas quantidades são excretadas por via

transcutânea.

3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

- Pacientes nefropatas;

- Pacientes em risco aumentado de sangramento;

- Pacientes graves que não suportam sobrecarga de volume;

- Pacientes com maior risco de retenção hídrica.

Se uma ou mais das seguintes afecções clínicas se aplicarem, Istarplas S não deve ser

usado em afecções agudas ou ameaçadoras à vida ou usado apenas após cuidadosa

avaliação do risco/benefício: Hipersensibilidade conhecida aos amidos hidroxietílicos,

sobrecarga circulatória, insuficiência cardíaca congestiva descompensada, insuficiência

hepática grave, distúrbios hemostáticos conhecidos, insuficiência renal com anúria

(ausência de urina), final de gravidez (parto), hiperosmolaridade, desidratação,

hipernatremia (elevado teor de sódio no sangue) ou hiponatremia graves (baixo teor de

sódio no sangue), hipercolesterolemia (colesterol alto) ou hipocloremia graves.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Deve-se estar atento ao aumento da osmolaridade sérica, especialmente em pacientes

diabéticos. Eletrólitos séricos, osmolaridade sérica e equilíbrio hídrico devem ser

monitorados regularmente.

Deve-se estar atento à possibilidade de aumento de hemorragia causado por ressuscitação

hídrica agressiva (levando a pressões de perfusão aumentadas) e efeitos de hemodiluição

de Istarplas S. O paciente deve ser cuidadosamente monitorado durante a infusão. A

exemplo de todos os outros substitutos de volume coloidal existe um risco de reação

anafilactóide, cuja razão é desconhecida até o momento. Entretanto, a administração de

HES em seres humanos geralmente não leva ao desenvolvimento de anticorpos

específicos. A monitorização da pressão arterial e possivelmente a monitorização

hemodinâmica são requeridas a fim de evitar qualquer risco de sobrecarga vascular. Se

ocorrerem quaisquer sinais anormais, ou seja, calafrios, urticária, eritema, vermelhidão

da face ou queda da pressão arterial durante os primeiros minutos de tratamento, a infusão

deve ser interrompida imediatamente. Se administrada em situações sem choque

hipovolêmico acentuado, podem ocorrer sintomas vasodilatadores (hipotensão

transitória - diminuição da pressão arterial) ou sintomas de sobrecarga de volume

(insuficiência cardíaca esquerda, arritmias, hipertensão pulmonar), especialmente em

situações nas quais a função cardíaca e o fluxo sangüíneo coronariano são limitados (ex:

cirurgia cardíaca).

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco:

Uso em Crianças: A segurança e a eficácia de Istarplas S em crianças não foram

estabelecidas.

Embora não tenham sido conduzidos estudos clínicos suficientes em crianças, resultados

de uma avaliação retrospectiva do uso de Istarplas S neste tipo de paciente

(perioperatoriamente e UTI) permitem concluir uma relação custo-benefício do uso de

Istarplas S em casos de aplicações apropriadas onde foram consideradas as mesmas

precauções utilizadas em adultos.

Uma solução de Istarplas S (peso molecular médio 200.000) foi considerada eficaz e

segura quando comparada com a albumina humana na conduta da reposição do volume

nas crianças com menos de 3 anos de idade que se submeteram a cirurgias cardíacas.

Para estudar os efeitos renais em recém-nascidos (medidos pela creatininemia),

ocasionados pelo uso de hidroxietilamido de médio peso molecular, foi realizado um

estudo com neonatos. O estudo concluiu que as soluções de hidroxietilamido 200/0,5 -

6%, em condições normais de uso e posologia, não afetam significativamente a função

renal, já que em 50% dos pacientes pediátricos saudáveis, a expansão do volume do

plasma com 10 mL/Kg de hidroxietilamido 200/0.5 - 6% não aumentou a creatininemia.

Deve-se considerar os ricos e benefícios do tratamento com Hidroxietilamido de

forma individualizada para cada paciente.

Uso em Idosos: Não há necessidade de ajustes posológicos específicos para idosos.

Gravidez e lactação: Não existem experiências clínicas com Istarplas S durante a

gravidez. O produto não deve ser administrado a mulheres grávidas durante o parto

para prevenir hipotensão induzida por anestesia epidural, uma vez que existe um

risco de reação anafilática ou anafilactóide materna.

Categoria de Risco na Gravidez (FDA): C

"Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação

médica ou do cirurgião-dentista".

Amamentação

Não se sabe se o poli (O-2 hidroxietil) amido é excretado no leite humano, porém tendo

em vista a baixa dose de poli (O-2 hidroxietil) amido administrado com este produto,

considera-se não haver nenhum risco.

Efeito na habilidade de dirigir ou operar máquinas: Soluções contendo

hidroxietilamido não afetam a habilidade de dirigir ou operar máquinas.

Carcinogenicidade e Mutagenicidade: Quando se discute o potencial mutagênico e

carcinogênico de HES tem-se que ter em mente que o mesmo é uma medicação coloidal

de reposição do volume. O local da ação destas soluções é o espaço intravenoso. Todas as

preparações de HES que estão em uso são moléculas derivadas do amido, de peso

molecular relativamente elevado, com um caráter notadamente hidrofílico. Assim, a

permeabilidade destas moléculas através da membrana da célula é impedida. HES é

muito similar ao próprio glicogênio do corpo. Portanto, considerando as características

químicas e físicas do HES, conclui-se que nenhum efeito mutagênico ou carcinogênico

poderá ser detectado.

Teratogenicidade: A administração diária de HES, nos ratos e camundongos, durante

todo o período de gestação, não ocasionou malformações e nenhum efeito embriotóxico

ou teratogênico. Atualmente, não existe nenhum estudo que relata as conseqüências da

administração de HES nas mulheres, durante a gravidez. Desta maneira, as soluções de

HES devem ser usadas somente após a avaliação mais cuidadosa da relação

benefício/risco.

Dados de Segurança Pré-Clínica

Dados pré-clínicos não revelam nenhum risco especial para os seres humanos com base

nos estudos farmacológicos convencionais de segurança, toxicidade com doses

repetidas, genotoxicidade, potencial carcinogênico e toxicidade na reprodução.

Uso durante a gravidez, nos recém-nascidos e crianças

Existem dados disponíveis, porém insuficientes, sobre o uso de colóides nos estágios

iniciais da gravidez (primeiro trimestre), nos recém-nascidos e nas crianças; Nestes

pacientes Istarplas S deve somente ser usado após a avaliação completa da relação

risco/benefício. Nos estágios mais tardios da gravidez a preparação deve somente ser

usada para indicações cruciais.

Interações Medicamentosas:

São desconhecidas interações entre soluções de hidroxietilamido (de qualquer peso

molecular) em cloreto de sódio e outros medicamentos até o momento. No entanto, o uso

em conjunto com heparina pode prolongar o tempo de sangramento.

Deve ser evitada a mistura com outras medicações.

Não deve ser utilizado como veículo de medicamentos.

Hidroxietilamido é incompatível com muitos compostos, incluindo vários

antibacterianos injetáveis.

Interações com exames laboratoriais: Comumente os valores de amilase sérica podem

aumentar com a administração de hidroxietilamido e interferir no diagnóstico de

pancreatite. Sugeriu-se que Istarplas S forma um complexo com a amilase, sendo esta

eliminada mais lentamente, resultando em um aumento na sua concentração circulante.

Concentrações elevadas de bilirrubina foram relatadas no plasma em 2 de 20 indivíduos

saudáveis que receberam infusões múltiplas de hidroxietilamido; entretanto, a bilirrubina

total e os resultados de outros testes de função do fígado permaneceram dentro dos limites

normais. As concentrações da bilirrubina retornaram ao normal dentro de 96 horas após o

final da infusão.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum

outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a

sua saúde.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE

MEDICAMENTO?

ISTARPLAS S deve ser conservado em temperatura ambiente (15ºC a 30ºC) protegido da

luz e umidade. No entanto, uma exposição breve até 40°C não afeta adversamente o

produto.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua

embalagem original.

Após aberto, usar imediatamente. Depois de aberto este medicamento, por ser de caráter

estéril, não se pode em hipótese alguma guardar ou conservar as soluções utilizadas, as

mesmas devem ser descartadas. Antes de serem administradas as soluções parenterais

devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação

na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária. Não utilizar se

detectadas partículas ou algum tipo de precipitado. Este medicamento é um líquido,

límpido, incolor e inodoro. Isento de partículas estranhas.

Asolução remanescente não utilizada deve ser rejeitada. Não congelar.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de

validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para

saberse poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve sermantido fora do alcance das crianças.